terça-feira, 30 de janeiro de 2007

OITO MILHÕES DE EUROS E UNS TROCOS DEPOIS...

"A presidente da Experimenta Design, Guta Moura Guedes, anunciou ontem oficialmente o cancelamento da quinta edição da bienal, que deveria realizar-se entre 12 de Setembro e 4 de Novembro, e acusou a Câmara Municipal de Lisboa (CML) de ter "assassinado" o projecto ao retirar o apoio financeiro prometido, no valor de 500 mil euros".

Consultores "chocados"
"Foi também divulgada uma carta dirigida ao presidente da câmara e assinada por alguns dos consultores internacionais da bienal, que se declararam "chocados por saber que a Cidade de Lisboa admite não apoiar" a edição deste ano. Com a Experimenta, dizem, "Lisboa tornou-se um local de destaque no mapa mundial do Design".
in: jornal público de 30.1.2007

Para tentar perceber o "assassinato", por um lado, e o "estado de choque" dos consultores internacionais da EXPERIMENTADESIGN, por outro, fomos consultar o site da Associação, para, junto da própria entidade "assassinada", recolher informação sobre a dimensão da tragédia.

Assim, na "Experimenta Press" (link) deparamos com 5 destaques relativos a 2006, sendo três deles referentes à conferência da Associação ATYPI, um destaque relativo a um concurso de design união europeia/japão 2006 e o quinto destaque relativo a uma visita da Samsung à Experimenta.
Pormenor curioso, a visita da Samsung à Experimenta verifica-se por iniciativa de um estúdio de design espanhol, o que leva a supor que se não fosse este estúdio de design espanhol os japoneses da Samsung ignoravam quem é a Experimenta.

Seguimos para as "Notícias" (link) e verificamos que, relativamente à ExperimentaDesign, as chamadas notícias de 2006 são dois comunicados de imprensa, em 2005 um comunicado de imprensa e dois links, em 2004 um comunicado de imprensa e em 2003 sim, existe algum desenvolvimento sobre as actividades desse ano.

No espaço dedicado ao projecto DESIGNWISE (link), as últimas informações remontam a 2004.
Sem comentários.

Quanto ao projecto VOYAGER (link) a última actualização é de Outubro de 2005.
Sem comentários.

Mas o melhor ainda está para vir.

Na secção RECORTES DE IMPRENSA, a situação é esta:

EXPERIMENTADESIGN
Dos recortes de imprensa publicados, seis, os mais actuais remontam a 2004!
Sem comentários.

DESIGNWISE
(De momento não existem conteúdos nesta secção).
Sem comentários.

VOYAGER
Os recortes de imprensa publicados remontam a 2003!
Sem comentários

MAIS
(De momento não existem conteúdos nesta secção).
Sem comentários.

Oito milhões de euros e uns trocos depois, é esta a imagem que a ExperimentaDesign apresenta das suas actividades?

E dado que o conteudo em inglês é semelhante ao conteúdo em português, e sabendo-se como se sabe que cada vez mais a forma mais utilizada para obter informação sobre uma qualquer Associação, Empresa ou outra entidade é a Internet, é esta a imagem que a tão celebrada ExperimentaDesign transmite?

Oito milhões de euros e uns trocos depois não seria de exigir muito mais?

Face ao silêncio da comunicação social sobre este e outros temas relativos à ExperimentaDesign, parece que toda a gente está satisfeita com o trabalho desenvolvido.

Mas já alguém tentou perceber o verdadeiro impacto e suas consequências para os designers portugueses das bienais da Experimenta?

Isto oito milhões de euros e uns trocos depois...

5 comentários:

AM disse...

MAIS
(De momento não existem conteúdos nesta secção).
Sem comentários.

LOL

Aos média só interessa o sensacionalismo e o estado de indignação permanente... mas sem consequências.
A maioria dos jornalistas da nossa praça estão para os tempos modernos como as peixeiras e as varinas estão para a Lisboa castiça de outrora.
"Os média mentem, só não vê quem quer".

João Barbosa disse...

ácido!

João Barbosa disse...

Tenho de concordar com am.
Como jornalista deparo-me diariamente com o estado a que chegou a profissão: entretinemento.
A cabeça dum jornalista medíocre funciona mais ao mesmo como a dum tubarão: reage à agitação e segue o rasto do sangue (literal ou figurado). O resultado é a superficialidade. Não se investiga, não se aprofunda, não se acompanha a temática, esquecem-se os assuntos... além do vedetismo, da total ausência de humildade. Oos jornalista são (somos) «especialistas» - acham (achamos), ainda que ninguém perceba que não o seja em coisa nenhuma sem ser em informação. Porém, o comportamente genérico dos jornalistas é de total desconhecimento da sua função, por algumas das razões acima enunciadas e outras que não me apetece enumerar.
Saudações

FORMIGA BARGANTE disse...

Meus caros am e joão barbosa

A culpa não é só dos jornalistas.

É de todo um "conjunto de interesses", públicos e privados, que governam (se governam) com o amém do "querido povo português".

Chegou a altura de pedir responsabilidades também aos que votam e se estão nas tintas para a forma como votam.

Chegou a altura de pedir responsabilidades aqueles que votam e depois vão para casa vêr telenovelas e chamar bandidos aos políticos, banqueiros, etc.etc.etc.

A culpa nunca é deles!

Chegou a altura?

P.S. - Agora vou tratar dos netos. Voltarei lá mais para a noite.

Um abraço a vocês.

João Barbosa disse...

Meu caro Formiga Bargante, tem inteiramente razão. Os jornalistas só respondem por si, pelo seu trabalho, e prestam contas a quem lhes paga.
Quando o público não gosta do trabalho dos jornalistas não compra o seu trabalho ou passa, de fininho, ao largo.
O mesmo não acontece com os políticos. O cidadão atura-os quer goste quer não goste. O político é eleito ou tem funções delegadas, por isso tem de prestar contas. O mesmo é válido para funcionários públicos com cargos de confiança política.
Ainda que desconheça quais as suas cores politico-partidárias, digo-lhe que politicamente (no sentido nobre e verdadeiro do termo) estamos inteiramente de acordo nesta matéria.
abraço