quarta-feira, 10 de janeiro de 2007

O INSTITUTO PORTUGUÊS DE MUSEUS E O DOPPING!

No Público de hoje, na secção da Cultura, lá está: 1.180.000 pessoas visitaram os museus do Instituto Português de Museus, batendo o recorde da última década.

E, mais à frente: as maiores subidas registaram-se no Museu Nacional do Teatro (1o5 por cento)...


Pois!

Só que a/o jornalista não cuidou de saber da razão de tão brilhante êxito.

Mas, como não somos todos parvos, vejam só:

- Dos 26.336 novos visitantes do Museu do Teatro, 12.560 foram visitantes inscritos nas rúbricas "Livre" e "Outras", ou seja, rúbricas onde cabe tudo menos as pessoas que foram visitar o Museu.
Desde visitas aos jardins, passando pela cafetaria e restaurante, tudo entra naquelas rúbricas.

Na linguagem desportiva chamar-se-ia de dopping para fazer subir a estatística de visitantes, deste e de outros museus.

Entre Janeiro e Novembro de 2006 (Dezembro ainda não está na Net), os visitantes "contados" naquelas duas rúbricas somavam 19.519 contra 6.959 em 2005, ou seja, um aumento de 180%!

E em 2006 os "Livres" e "Outros" representavam, entre Janeiro e Novembro, 42% do total de visitas contabilizadas!

Parece que o IPM e o Ministério que o tutela estão a levar demasiado longe a célebre frase "A imaginação ao poder".

2 comentários:

João Barbosa disse...

Os números são o que são, valem o que valem e não sei como foram conseguidos. Contudo, não acredito neles, porque não vejo política que os sustentem nem acredito em milagres culturais.
Com dopping ou não, sei que mais difícil manter a aparência ou ilusão de bom desempenho a quem vive da e para a imagem, pela razão simples de que este ano vão continuar a afluir visitantes só de jardins e pessoas que não passam do átrio de entrada. O vai valer? Inventar? Contar os gatos que passam nos jardins ou os cães que espreitem às portas (afinal são visitas)?
saudações

Corrector ortográfico disse...

Ai que o sr. Barbosa anda a deixar palavrinhas para trás.